{jcomments on}A índole geral dos Royer é de timidez. Um bom número é dotado do perfeccionismo, persistencia e criatividade. Uma boa porcentagem tem o dote profissional do "faz de tudo". Um grande número atinge a "quarta idade", isto é, sobrevivem a 80 anos de vida, bem vivida.

As mais profundas convicções religiosas da Igreja Católica Apostólica Romana, correm no sangue deste seus primeiros imigrantes. Praticam a religião na íntegra com muito zêlo e convicção. A educação de seus filhos é questão de honra tradicional.

Inicialmente, nas primeira décadas, no Rio Grande do Sul, a família Royer dedicou-se exclusivamente à agricultura familiar. A sobrevivência, a criação e educação de seus filhos, assim o exigiu. Atualmente temos empresários na indústria, comércio, agricultura e serviços; funcionários públicos, comerciários, professores universitários, profissionais liberais, profissionais da saúde, dirigentes de cooperativas e associações, vereadores, prefeitos, juizes de direito, dentre outros, e pessoas humildes como nós. Os Royer têm orgulho de estar ajudando a construir um Brasil melhor. Os Royer ingressaram no Brasil pelo Estado do Rio Grande do Sul, hoje os encontra do Oiapoc ao Chui, espalharam-se como inso.